Close

Diretores

FAO 2020

Flavia Furtado

Diretora Executiva do Festival Amazonas de Ópera

Pianista de formação, estudou no Brasil com Linda Bustani e na Bélgica com Heidi Hendricks. Mais tarde, formou-se em Comércio Exterior e, desde então, vem gerindo e desenvolvendo trabalhos com a economia da cultura em diversos âmbitos, junto ao Fórum Brasileiro pelos Direitos Culturais, a Ópera Latinoamérica e o Festival Amazonas de Ópera.
Em 2006, cria a Vlaanderen Produções Culturais, empresa especializada em grandes eventos de música clássica com mais de 70 produções no currículo, entre óperas, teatro, concertos e festivais, trabalhando com algumas das instituições mais importantes do país, como Theatro Municipal do Rio de Janeiro, Theatro Municipal de São Paulo, Theatro São Pedro, Teatro Amazonas, Centro Cultural Banco do Brasil, Universidade Federal do Paraná e Theatro da Paz.
Entre seus trabalhos mais significativos estão o Festival Amazonas de Ópera, desde 2004, e produções como a ópera “A Menina das Nuvens”, de Villa-Lobos, “Aula Magna com Stálin”, peça de David Pownall, “Ça-Ira”, ópera de Roger Waters, a Bienal “Música Hoje”, duas turnês brasileiras do grupo ICE – International Contemporary Ensemble, entre outros.

Marcelo de Jesus

Maestro Titular da Orquestra de Câmara do Amazonas

Graduado em piano, composição e regência pela UNESP, é um dos mais atuantes regentes brasileiros. Após anos de atuação nos Theatros Municipal de São Paulo e Rio de Janeiro como pianista e maestro assistente, assumiu como regente titular da Orquestra de Câmara do Amazonas, maestro adjunto da Amazonas Filarmônica e diretor artístico adjunto do Festival Amazonas de Ópera. Desta parceria de mais de 15 anos destacam-se as estreias de novas e antigas obras como “Poranduba”, “Kawah Ijen” e “Yerma”.

Em 2018, participou da Temporada De Concertos da Orquestra Sinfônica Municipal de Campinas e foi agraciado com o título de Cidadão Amazonense pela Assembleia Legislativa do Estado do Amazonas. Em 2019, além dos concertos das séries “Guaraná” e “Encontro das Águas”, participou da Temporada de Concertos da Orquestra Sinfônica do Theatro Municipal do Rio de Janeiro com um programa inteiro somente com obras de Claudio Santoro. Também esteve à frente da Orquestra Sinfônica do Espírito Santo com o concerto “Perfeição Clássica – A Primeira Escola de Viena”.

Otávio Simões

Diretor do Coral do Amazonas e Maestro Assistente do FAO

É regente assistente da Amazonas Filarmônica desde 2013 – orquestra sob direção artística de Luiz Fernando Malheiro. Desde fevereiro de 2018, é também maestro titular do Coral do Amazonas. Natural de São Paulo, é graduado em regência pela Universidade de São Paulo (USP), estudando com Aylton Escobar, Mario Ficarelli, Eduardo Monteiro, Lorenzo Mammì entre outros. Desde os 15 anos de idade trabalhou com diversos grupos corais na cidade de São Paulo. Foi participante do Festival de Inverno de Campos do Jordão/SP, integrando a classe regência orquestral de Roberto Tibiriçá (1999) e de Jamil Maluf (2003). Nos anos de 2004 e 2005 atuou como regente assistente da Orquestra de Câmara da USP (OCAM), ao lado do maestro Gil Jardim. Fez parte do corpo docente do 28º Festival de Música de Prados/MG (2005). A convite da Prefeitura do Município de São Bernardo do Campo/SP, ministrou em 2008 o curso “Entendendo a Música Erudita”. No repertório operístico, acumula mais de 40 títulos realizados como regente principal, regente assistente, preparador de coro, ou como stage manager. Trabalhou no Theatro Municipal de São Paulo nas temporadas de 2006 a 2012 e também em diversas montagens do Theatro São Pedro/SP. Realizou traduções de textos como a Missa de Réquiem em latim, o “Guia Orquestral para Jovens” (Benjamin Britten/Eric Cruzier), “Le Roi David” (Arthur Honegger/René Morax), Sinfonia 3 (Henryk Górecki) e “Schicksalslied” (Johannes Brahms/Friedrich Hölderlin). Em teatro musical, trabalhou em uma dezena de produções – entre elas, o premiado musical “A Caixa Mágica do Natal” (Teatro Amazonas, 2019), atuando como arranjador, compositor da música incidental e regente. Desde novembro de 2019 ocupa a cadeira n.17 da Academia Amazonense de Música. É autor de 290 arranjos, transcrições, orquestrações e adaptações musicais diversas – entre elas, a orquestração oficial do Hino Municipal de Manaus e a versão para cordas do Hino do Amazonas.